quarta-feira, 8 de dezembro de 2010

Antologia do Vale do Iguaçu II

É com prazer que, depois de meses de trabalho intenso, nós do projeto Memórias Poéticas do Vale do Iguaçu, lançamos a segunda Antologia do Vale do Iguaçu, que dá continuidade ao trabalho idealizado pelos professores Francisco Filipak e Nelson Sicuro. A primeira antologia fora publicada em 1976. A segunda será lançada no dia 11 de Dezembro de 2010.
Segue o convite:
.
.

Escritores que participam da segunda Antologia:

.
Adriana Bueno de Oliveira
Affonso Reis Teixeira Filho
Aline Sonálio
Amasília Maciel Tentardini Benghi
Amós Ribeiro
Arlete Therezinha Bordin
Bernadete Chojnacki
Caio Moreira
Célio Reginaldo Calikoski
Celso Godoi
Cláudio Dutra
Claudionor Pereira de Azevedo
Dom Walter Michael Ebejer
Elisiane Gabrielle Domainski
Emerson Rogério de Oliveira
Emili de Albuquerque
Enéas Athanázio
Fernando Tokarski
Francisco Filipak (in memoriam)
Francisco José Rodrigues
Gilian Matzembacher Carraro (in memoriam)
Helena Klotz (in memoriam)
Irene Rucinski
Isaac Nilton Nogueira Neto
Ivahy Detlev Will
Ivan Vidal Portela
João Darcy Ruggeri
Jocely Lona Cleto
Júlia Pacholok Veiga e Souza
Juliana Cornehl
Juliane Aparecida Vladcovski
Kiara Domit
Leda Barcellos
Manoel Claro Alves Neto
Maria Catarina Schmitt Heiss
Natálio Zamo Vargas
Neide Barth Rosenscheg
Neli de Oliveira Melo Sicuro (in memoriam)
Odilon Muncinelli
Raíssa Moretto
Ribamar Bernardes
Sérgio Waldomiro Kuns
Sigismundo Gaias (Zico)
Siomara de Cássia Reis Teixeira
Sonia Luíza de Oliveira Cabral
Sueli de Souza Pinto
Sylvestre Marcon
Therezinha Thiel Moreira
Therezinha Leony Wolff
Ulisses Teixeira
Verônica Huryn (in memoriam)
Yeda Cordeiro Ramirez (in memoriam)

sexta-feira, 17 de setembro de 2010

Semana Literária - SESC 2010



Este ano, o município de União da Vitória participa da Semana Literária do SESC, que acontece simultaneamente em várias cidades do Estado do Paraná. Em conjunto com a Feira do Livro, promovida pela Fundação de Cultura de União da Vitória, o evento contará com várias palestras e oficinas. A homenageada do ano é Raquel de Queiroz, que completa, em 2010, 100 anos.

Programação
Conferência de abertura
Leitura e Cotidiano – A formação do leitor
Escritor Sergio Luiz Gadini
Mediação de Nina Rosa Sá
Os livros, portanto, renascem com seus leitores _ e, a cada leitura, um livro é um livro diferente. A arte da leitura é solitária e o leitor é, de certo modo, co-autor do livro que lê. Nessa palestra de abertura, o palestrante irá rememorar sua experiência íntima com os livros. Uma experiência tão secreta que escapa às próprias palavras.
Dia 15/09 às 19h30
Local: Auditório da Fundação de Cultura
Público: Comerciários, Professores, Estudantes.

Conferência de homenagem à escritora Raquel de Queiroz
Escritora Assionara Souza
Mediação de Caio Ricardo Bona Moreira
Em 17 de novembro de 2010 se comemora o centenário de nascimento de Rachel de Queiroz. Romancista, dramaturga, cronista, tradutora e jornalista, Rachel foi uma mulher vibrante, para quem a vida sempre foi mais importante que a literatura. Posição que se reflete, de modo veemente, em seus livros. Essa postura independente e libertária, porém, não impediu que, em 1977, ela se tornasse a primeira mulher a entrar para a Academia Brasileira de Letras.
Dia 16/ 09 às 19h30
Local: Auditório da Fundação de Cultura
Público: Comerciários, Professores, Estudantes.

 
Oficina: Como incentivar a leitura
Ministrante: Ana Lúcia de Mattos Santa Isabel
O que podemos fazer para aproximar os jovens dos livros? Que tipos de idéias, de propostas, de exercícios podem facilitar esse encontro? Que obstáculos somos obrigados a enfrentar e como devemos enfrentá-los? É possível despertar a paixão pela leitura? De que modo a leitura pode se aproximar do mundo cotidiano e da vida? De que modo ela pode interferir e alterar a relação que temos com a realidade e com as coisas? Como pode nos ajudar a interpretar o mundo em que vivemos?
Dia 16/09 das 8h às 12h e 13h às 17h30
Local: Núcleo do Sesc de União da Vitória
Público: Educadores
Oficina: A Tecnologia vai à escola
Ministrante: Edna Satiko Trebien

De que modo à tecnologia pode ser usada para aproximar os jovens da leitura e dos livros? A paixão dos jovens pela internet deve ser considerada um estímulo, ou ao contrário um obstáculo, à leitura? Como usar as novas ferramentas tecnológicas a favor da difusão da leitura? De que maneira as novidades tecnológicas pode aproximar os livros e a leitura do mundo e da vida real? Idéias, leituras, debates e exercícios ajudarão os participantes a refletir sobre o tema e a tirar nos proveitos dos avanços tecnológicos em seu dia a dia profissional.
Dia 17/09 das 8h às 12h e 13h às 17h30
Local: Núcleo do Sesc de União da Vitória
Público: Educadores

domingo, 8 de agosto de 2010

Escravidão, Mestiçagens, Populações e Identidades Culturais



Autores


Caio Ricardo B. Moreira, Carlos Alberto M. de Lima, Douglas C. Libby, Eduardo F. Paiva, Ilton C. Martins, Isnara P. Ivo, José Newton Meneses, Maciel H. Silva, Marca Amantino, Paulo Roberto Staudt Moreira, Rafael C. Scheffer, Rangel Cerceau, Vinícius M. Cardoso.

As abordagens teórico-metodológicas são variadas, assim como é diverso o universo das fontes e dos temas enfocados pelos autores. No geral, entretanto, são textos nos quais se estudam a escravidão negra e a indígena; o trânsito de culturas africanas nas Américas; as dinâmicas históricas das mestiçagens biológicas e culturais; o mundo dos alforriados e os aspectos econômicos da sociedade brasileira durante o período colonial e o Império. O Brasil é, naturalmente, o foco principal dos textos, mas as comparações e as conexões estabelecidas o colocam, em vários momentos, relacionado a outras sociedades, marcadamente as da América espanhola, da Europa e da África, assim como se procedeu a comparações entre as distintas áreas internas brasileiras. (Da Apresentação).

O livro organizado por Eduardo França Paiva, Isnara Pereira Ivo e Ilton Cesar Martins
(Annablume/PPGH-UFMG, Coleção Olhares) será lançado:
Dia 11 de agosto de 2010, quarta-feira, das 19h às 22h.
Rua Fernandes Tourinho, 274 - Savassi - Belo Horizonte - MG

Dossiê Simpósio de Fotografia e Cultura Visual – Arquivo e Imagem

Revista Crítica Cultural - Dossiê Simpósio de Fotografia e Cultura Visual – Arquivo e Imagem

http://www3.unisul.br/paginas/ensino/pos/linguagem/critica/0402/00.htm

Edição Especial

Dossiê Simpósio de Fotografia e Cultura Visual – Arquivo e Imagem

8. ¿Verdad o belleza? Pintura, fotografía, memoria, historia
Truth or beauty? Painting, photography, memory, history
Laura Malosetti Costa (UNSAM-CONICET)

9. A repetição diferente: Aspectos da arte no Brasil, entre os séculos XX e XIX
Different repetition: Aspects of art in Brazil of the XXth and XIXth centuries
Tadeu Chiarelli (USP)

10. Diante da perda do arquivo: reinvenções e narrativas da memória
Facing the loss of archive
Maria Ivone dos Santos (UFRGS)

11. Mal de Arquivo: a dinâmica do arquivo na Arte Contemporânea
Archive fever: the archive dynamics in contemporary art
Silvana Macêdo (UDESC)

12. No Campo das semelhanças deslocadas e das proximidades empáticas
In the field of dislocated similarities and empathic proximitie
Rosângela Cherem (UDESC)

13. Como a fotografia contemporânea pensa a memória?
How does contemporary photography think memory?
Ana Emília Jung (Universidade Tuiuti)

14. Instantâneos móveis
Mobile stills
Luiz Felipe Soares (UFSC)

15. Poesia modernista. Gestos de ar e de pedra
Modernist poetry. Gestures of air and of stone
Susana Scramim (UFSC-CNPq)

16. Joaquim Cardozo e Pancetti, àguas sem dono
Joaquim Cardozo and Pancetti, waters without owner
Manoel Ricardo de Lima (CNPq-UFSC)

17. Belmiro de Almeida e o realismo: da glosa ao encanto da proximidade
Belmiro de Almeida and realism. From the gloss to the enchantment of proximity
Antonio Carlos Santos (UNISUL)

18. A fotografia como poesia e a poesia como fotografia. Sobre Arthur Omar e Arturo Carrera
Photography as poetry and poetry as photography. On Arthur Omar and Arturo Carrera
Jorge Wolff (UNISUL)

19. A memória dos gestos na poesia simbolista de Dario Vellozo
The Memory of Gestures in the Symbolist Poetry of Dario Velozzo
Caio Ricardo Bona Moreira (UFSC)

20. Espantalho ou a linguagem vertical
Scarecrow or the vertical language
Cristiano Moreira (UFSC)

21. Refabular a história a partir de restos
Re-fable history from ruins
Alexandra Espíndola (UNISUL)

22. A fotografia e o livro como lugares para a ação: projeto espaços
Photography and book as places for action: spaces project
Márcia Regina Pereira de Sousa (UDESC)

23. Recordatórios: Notas sobre memória e fotografia
Reminders – notes on memory and photography
Daniela Martorano Vieira (Universidad de Granada)

24. Um território improvável para um improvável grupo – Ações em torno de um espaço
An improbable territory for an improbable group. Actions around a space
Juliana Crispe (UDESC)

25. Cartografia do meio
Cartography of the middle
Cláudia Zimmer (UDESC)

quarta-feira, 28 de julho de 2010

FOFOCAS DA NOVELA DALTON TREVISAN

.
,
Na página 54, do livro Duzentos Ladrões, editado em 2008 pela L&PM, o contista curitibano Dalton Trevisan apresenta um poema intitulado "Hiena Papuda". Pelo que fiquei sabendo, o texto é dirigido veladamente ao crítico e escritor Miguel Sanches Neto. Depois da publicação de Chá das Cinco com o Vampiro, a Hiena Papuda faz mais sentido. Entre outras provocações, a tal hiena é tratada como “traveca de araponga louca”, “chorrilho merdoso”, “delator premiado”, “Judas” e “filho adotivo espiritual de Caim”. Dalton descasca o verbo e a banana ao ex-amigo. Reza a lenda que o livro de Miguel já estava pronto há vários anos. O escritor hesitou em publicá-lo até que uma cópia caiu nas mãos do velhinho-vampiro por meio de um amigo de Miguel que insistira em ler os originais. Todos um pouco traidores. A partir daí os acontecimentos se turvam como a própria lenda de Nosferatu, o vampiro que mora no Alto da Glória da capital paranaense. Segundo comentários, Dalton teria enviado cópias do livro para algumas editoras com o intuito de coibir a sua publicação, o que de fato aconteceu. Até que a editora Objetiva tomou partido de Miguel e lançou. Em entrevistas, Miguel comenta que não iria lançá-lo, mas as provocações de Dalton foram tantas que ele mudou de idéia. A partir daí várias discussões interessantes começaram a serem tecidas dentro das “rodinhas” literárias, dos “clubinhos do Bolinha”. Seria o livro uma espécie de biografia não autorizada de Dalton? Teria Miguel Sanches Neto sido leviano ao publicá-lo? Aonde termina o real e começa a ficção? Miguel estaria se aproveitando do fato de ter participado do convívio de um dos maiores contistas vivos do mundo? Muitos críticos aproveitaram a situação para tecer comentários sobre o tema principal do livro, que envolve um dos “silêncios mais ruidosos” da literatura brasileira, Trevisan. O fato já rendeu variadas reportagens. No entanto, poucos críticos se debruçaram efetivamente sobre a obra, o que demonstra que não só escritores e leitores estão interessados em fofocas, mas principalmente os críticos. Assim, o que fica sugerido é que grande parte dos críticos que comentaram Chá das cinco com o vampiro estão mais interessados na polêmica do que em literatura. Claro, o livro está repleto de fofocas, mas creio que não é só isso. É possível lê-lo como literatura, uma boa literatura, diga-se de passagem. Abro um parêntese aqui e confesso: Apesar de apreciar os romances de Miguel, comprei Chá das Cinco com o Vampiro mais interessado em ler fofocas. Também gosto delas.
.
(A capa faz lembrar a arte gráfica da literatura de vampiros, onda no Brasil e no mundo)

Maurício Melo Júnior, no artigo "Vaidade Revelada" (Jornal Rascunho – Ed. 123), discute dois pressupostos “bem modernos” (o que me parece questionável) sobre os quais o romance se dimensiona. O primeiro é a reflexão sobre a vaidade e o segundo é a reflexão sobre a condição que envolve os grupos familiares. É claro que essas questões são bem exploradas na narrativa, mas me pergunto se seriam necessariamente "bem modernos"? Creio que a força da narrativa não se encontra especificamente na temática, nos pressupostos a que se refere Maurício Melo Júnior, mas na maneira como o escritor opera o enredo, ao conseguir manter duas narrativas paralelas funcionando com desenvoltura. A primeira envolvendo o relacionamento do crítico Beto Nunes com o escritor-vampiro Geraldo Trentini e a segunda reconstituindo a adolescência de Beto na pequena cidade de Peabirú, no interior do Paraná. Lá, ele leva uma vida conflituosa com o pai, que não se interessa pelos gostos intelectuais do filho. A mãe tenta criar o filho com amor, mas, por outro lado, é submissa ao marido, um apaixonado por álcool e futebol. A salvação do menino é Ester que, além de sua tia é também uma espécie de paixão da adolescência. Essa personagem é responsável por despertar a paixão pela literatura em Beto e também por influenciá-lo decisivamente na sua partida para a capital. Lá, o jovem conhecerá Geraldo Trentini e frequentará círculos literários – que mais tarde lhe parecerão medíocres e enfadonhos. Alguns críticos apresentam o núcleo de Peabirú e mais especificamente a figura de Tia Ester como o eixo principal da obra. Discordo. O fio do rio de Beto são os encontros com o escritor Trentini, daí o título do livro. Todavia, não devemos esquecer que as duas narrativas se entrelaçam e exercem papéis complementares. Peabirú como sintoma do universo interiorano e atrasado. Curitiba como sinônimo de uma civilização cosmopolita. Isso pelo menos até um determinando momento, quando o jovem percebe que a cidade não é tudo aquilo que parece. Não é à toa que o livro termine com a volta de Beto à cidade natal. Esses dois movimentos, um centrípeto e outro centrífugo foram muito bem planejados pelo autor que, em uma entrevista ao blog da livraria Osório explicou: “Cada livro exige uma estrutura. Não dá para repetir sempre a mesma forma de narrar. Tento buscar um novo formato a cada romance, e este precisava de uma estrutura dupla, pois coloca em oposição o mundo interiorano e o da grande cidade, o jovem rebelde e o mestre arraigado na força de sua notoriedade, o passado e o presente. Ao construir o romance alternando tempos e espaços, eu acredito ter dado mais agilidade à narrativa, permitindo alguns choques. Ao passar de um capítulo para outro, o leitor sente a sensação brusca de sair de um lugar aquecido para o vento frio de inverno. O livro vai montando um quebra-cabeça narrativo. Fiz plantas-baixas para este livro, com cada cena bem definida.” Algo parecido já tinha sido feito no livro anterior, A primeira mulher, sobre o qual escrevi um post no ano passado.
.

Um dado curioso é que o escritor não faz questão de criar quebra-cabeça ou segredos em relação às personagens. Todas são apresentadas e facilmente identificadas com as pessoas que fazem ou fizeram parte do convívio de Miguel em Curitiba. Geraldo com a inicial G, de Gerson, primeiro nome de Dalton. Trentini com a inicial T, de Trevisan. Valter Marcondes: Wilson Martins. Akel: Jamil Snege. Valério Chaves: Valêncio Xavier. Uílcon Branco: Wilson Bueno. E por aí vai. Para variar, Valter Marcondes é praticamente endeusado por Beto, o que é endossado na "vida real" por Miguel, que vê em Wilson Martins um dos maiores críticos da história do Brasil. Beto, discípulo de Valter. Miguel, de Wilson Martins. Valério Chaves é descrito como um senhor interesseiro e gago que se veste de maneira extravagante e que não se furta de louvar a própria fama. Uilcon Branco é apresentado como um escritor de péssima qualidade e adepto de práticas suspeitas como o hábito de freqüentar saunas gays. Por ironia do destino, ou mesmo da tristeza, foi esse o caminho que levou Wilson Bueno à morte. Creio que Miguel tenha exagerado na dose ao produzir um humor negro e ácido em relação ao grande escritor Wilson Bueno. Mas não devemos cair no extremo oposto, pois apesar de tudo, o domínio da obra é o da ficção. Como podemos ler na última página: “Este livro é uma obra de ficção e seus personagens são seres construídos para atender à verossimilhança da obra. O autor não emite, portanto, opinião sobre as pessoas nem sobre os episódios da vida real”. Engraçado, não? Miguel se escondendo atrás do toco? Creio que não. A maioria dos livros traz esse tipo de alerta. Não devemos cair armadilha de ler o livro como se fosse um relato das relações de Miguel com Trevisan e outros escritores, e sim da relação entre Beto e Geraldo Trentini. No blog que criou para o livro, o escritor defende: "Tudo que a linguagem ficcional toca se transforma em matéria de ficção. Caso contrário, o próprio Dalton teria que ser acusado de satirizar pessoas reais, que se identificam em sua obra cáustica".
Claro, já disse e repito. No fundo, no fundo, comprei o livro porque gosto também de fofoca. Há verdades? Sim. Mas nenhuma que mereça ser levada tão a sério, pois literatura é literatura. A consciência do crítico deve estar tranqüila. O livro é consistente? Minha resposta não importa, mas tenho certeza que sim. Miguel é um escritor que me agrada. Creio que seja um dos principais na prosa do presente. Mas não esqueçamos. Se o livro é sobre a vaidade, tal vaidade é também a de Miguel (ele imaginava a polêmica que causaria) e não apenas dos escritores "inventados" por ele. As provocações no livro são óbvias, mas menos importantes do que a ficção. Se o livro é "moderno", ou responde às questões que legitimam uma obra como pertencente à literatura contemporânea, a despeito do fato de ser escrita nos dias de hoje, é muito mais por produzir uma narrativa que enfoca a sensação de "falta de lugar", de "não pertencimento" do narrador no ambiente em que vive - o que segundo a orelha do livro pode "significar a ruína de um homem mas também a sua redenção" - do que necessariamente o interesse pela vaidade, o que escritores de várias épocas fizeram muito bem.  
.
C.MOREIRA

terça-feira, 4 de maio de 2010

Ceibo (da série Flores)

.
.
Ceibo, a flor ou a crista de um galo no frontispício de um distintivo nacional. Sim, faço da faca e da vida uma Erythrina Cristagalli ou um tango de Gardel: “!Lejana Buenos Aires, qué linda has de estar!”. A Meca de Menem, Maradora, ou Madona, encarnada de Evita ou de índia Anahí. O mesmo fogo que transformou a cativa em flor, esquenta o salão de la Confitería. Piazzola e bandoneón, em dois por quatro, tocando El Choclo, enquanto o compadrito porteño, con un chambergo en la cabeza, e con la cintura de una mujer en las manos, desenha um ocho e um gancho, decifrando pernas e pés e o lamento sincopado de uma tristeza, quase um banzo ou um blues: “Por ser Bueno me pusiste en la miseria, me dijaste en la palmera, me afanaste hasta el color”. Mas da morte há de brotar um ceibo, fênix guarani, cantando uma milonga de Osvaldo Sosa Cordero: “La noche piadosa cubrió tu dolor y el alba asombrada, miro tu martirio hecho ceibo en flor”. O tango, esse réptil de lupanar. A flor de ceibo, a chama de Anahí valente e forte, ou a crista de un hermano, em final de campeonato, torcendo contra o Brasil.

c.moreira

domingo, 2 de maio de 2010

Magnólia (Da série Flores)

.
.
Sábia por se saber primitiva. Amante das artes, mas muito mais que uma trama. A magnólia me pensou e uma noite cheia de estrelas nasceu em mim. Descubro teu destino rabiscado no mapa celeste de uma astrologia. A concentração dos planetas em Libra, por isso positiva e cardeal. Governada por Vênus, a magnólia, tornou-se etérea e refinada. Delicada e de temperamento afetuoso, diplomata floral de todos os jardins, sempre tentando apaziguar o terreno, as guerras, as podas e outros espinhos. A lua em Leão, logo confiante e honrada. O colo de uma mãe e a vaidade de uma atriz. Mártir? Que nada: mimada, por isso atenta a todos os retratos, réstias e refletores. Se a lua está aflita, você dramática e instável. Por que não olha para as outras da mesma espécie? Urano em Escorpião, Netuno em Sagitário, na casa 4, Capricórnio, e na 5, Aquário. O ascendente, também em Libra, o que explica as mãos e braços alongados, covinhas no rosto, boca em forma de coração. Duas vezes evitando boa briga, duas vezes indecisa, pero que sí, pero que no, duas vezes magnólia.
.
c.moreira

terça-feira, 20 de abril de 2010

Papoula (da série Flores)

.

A papoula me dorme. Sonífera flor, asiática e fantasista, sumo dos pobres poetas e outros insones. Vela meu sono e meu sonho, enquanto o sonho não vem. Veneno e remédio, o phármakon do jardim. Depois da papoula, talvez acorde em outro lugar, quem saberá? Planta favorita de Hipnos, da família das papaveráceas, a danada, dormideira e dengosa possui um caule alto, ramificado, com folhas sésseis e ovaladas. Coroa a cabeça de Nix e o poeta enxerga no teu branco leque aberto a asa de uma garça, talvez o efeito de um paraíso artificial, ópio, morfina, ou o mágico láudano de Paracelso. Vejo-te discreta noctâmbula, o punctum pintado num quadro de John William Waterhouse, em que o pai de Morfeu te segura enquanto dorme, apenas um detalhe. Do teu suco e perfume, saem todas as cantigas de ninar. Mas cuidado, a aparente fragilidade que se desenha em tua geografia poética esconde uma femme fatal, a rainha dos piores pesadelos, discreta Medéia preparando o veneno ou mesmo Salomé, dançando como serpente e pedindo a cabeça do nobre Iokanaan.
.
c.moreira

Margarida (da série Flores)

.

Vez e outra meu avô plantava uma flor e colhia uma poesia. A margarida é poeta e nem sabe. Sua fala, uma arte: elabora pausas, metrifica os horizontes e deixa todo mundo curioso. Não sabe escrever, mas vai longe. Tão fácil escondê-la num labirinto botânico, botá-la no bolso, ou desidratá-la em um livro. Mas não te quero peça de museu nem adereço na lapela. Imagino-te assim, livre e desimpedida, sem prazo de validade, descontada das dívidas do amor. No máximo descascá-la numa séria brincadeira de bem me quer e mal me quer. Dessa maneira, poderei te ler em braille, dedos, toque e coração. No quintal do meu avô, quem manda mesmo é a margarida. Enquanto as formigas vão inventando sua própria sintaxe e os pardais vão tecendo um inusitado idioma repleto de variações lingüísticas, a flor canta Fellings e cava a tarde sem fazer alarde, esperando o príncipe que nunca vem.
.
c.moreira

terça-feira, 6 de abril de 2010

Tulipa (da série Flores)

.

Tua flor predileta. Como não cantá-la? Qual troféu natural, campanulada e solitária, a tulipa encanta. Como se o corpo, apontando para cima e aspirando a tocar as estrelas, saudasse o céu. Bolbo tunicado, pedúnculos, braços finos e pernas delicadas, desfila pelo jardim qual modelo magra e marota. Sem origem específica e ascendência precisa, da família das liliáceas, essa guardiã do jardim não tem começo, meio ou fim. Suas folhas oblongas, ovais ou lanceoladas revestem uma haste ereta, em cujo centro talvez morasse uma deusa grega ou um periquito que me dissesse “teu olhar é só meu”. Como uma mulher, dona de cem espécies, a tulipa não hesita em forjar mil máscaras. Sou todas, sou nenhuma. Ninguém desconfiaria que algumas delas seriam por demais venenosas, causando a morte do beija-flor, da abelha, do namorado, hipnotizado por seu fulgor.
Pensei que fosse fácil namorá-la no verão. Ledo engano. Aprendeu a guardar seu charme, uma espécie de chama, fogo e paixão, só para dias de frio, casaco e cobertor. Por baixo da coberta é que a flor desabrocha fazendo o pássaro cantar, enquanto venta lá fora. E se sugere por trás de um suposto turbante a ausência de qualquer perfume, mais um engano. Tua discrição esconde todos os cheiros que há neste mundo. Mas as palavras também não têm cheiro. Melhor abandonar as frases e ficar só com as tulipas.
.
c.moreira

Bromélias (da série Flores)

.

Quem disse que as bromélias, à noite, não tramam planos para que o jardim amanheça em candura? São cúmplices do sol que as tem como exímias escudeiras. Quando a manhã acontece, o vento primeiro traz do céu todas as mensagens. Se não chegam ao destino, como se poderia supor, a bromélia, quase uma casa de Gaudí, conduz mais triste a tarde como quem carregasse sozinha o canteiro florido nas costas.
.
c.moreira

Rosa (da série Flores)

.

As rosas não falam, mas dizem tudo. Pequena princesa do meu canto. Nada como ser rosa na vida. Tem esplendor de música e dependendo da cor que escolhe para vestimenta, molda a máscara que traduz fiel la piu belle chanson. Divina e graciosa, estátua majestosa, a donzela do jardim caiu de amores pelo jardineiro-escritor e acabou triste por não poder beijá-lo. Quem era? Nicanor... aquele que tinha mãos de jardineiro quando tratava de amor. Qual o quê, condenada a somente receber carícias, a rosa nem sonha que é rainha. Em suas pétalas as gotas de orvalho percorrem um corpo como que a buscar o centro de um labirinto perdido em meio a sorrisos e sábias satisfações. Ninfa transformada em flor, de mais ativo olor, ah sim, é também a preferida pelo beija-flor. Vestida de pétalas, dança sobre a terra em meio a músicas do vento.
.
c.moreira

quarta-feira, 31 de março de 2010

Verônica (da série Flores)

.

Foste tu que amparaste o Nosso Senhor no martírio do Calvário. O jardim repleto de Verônicas parece a catequese de todos os astros, um chão de estrelas salpicado de um azul celeste ou cerúleo. Sim, o planeta é azul porque você existe. Tenho medo de te acordar num vaso, porque o sol amanhece nos ombros da divina pureza de uma verônica. Decifrar teu código genético é tarefa para botânico graduado em sensibilidade, paciência e música. Talvez fazendo poesia o trovador pudesse conquistar uma verônica, pequena soberana que não se entrega fácil a caprichos e mesuras do cantor. O poeta esqueceria todos os textos se pudesse te guardar num livro, sem subtrair o tom magnífico e sagrado de tuas líquidas pétalas.
.
c.moreira

Violeta (da série Flores)

.

Seqüestrada do jardim, descansa solitária e inerte na mesa da sala. Desterrada, deslocada e violada, a violeta fica banzando com saudades de casa. Ou presa num quadro de Natureza Morta, nem imagina que o outro lado do mundo fica a dois passos dali. Que pena, tão longe pra ela. Mas se bem cuidada, no vaso, já resiste, imagine na natureza morta, fadada a ser eterna e falsa como a dublagem de um filme mexicano. Não suporta raios solares em excesso, e não basta uréia, nitrato de cálcio e potácio para adubá-la no quadro. É preciso também a reverência de um manto e a divina presença de um mestre ascencionado. A violeta, assim, é bem mais que uma simples flor. É uma onda de luz, o nome de uma mulher vaidosa e a chama acesa da minha sala mandando lembranças para casa.
.
c.moreira

Nenúfar (da série Flores)

.

Agarro minha luneta mágica e, feito um voyeur, te vigio compenetrado do alpendre da varanda. Aproximo a lente e descubro que ampliado o nenúfar nada mais me diz sobre as formas da planta. AUMENTO. De perto, o nenúfar, como um quadro de Monet ou uma fotografia de Karl Blossfeldt, me apresenta um outro mundo. Uma síntese misteriosa que oscila entre a ponte japonesa de um quadro impressionista e as formas originárias da flor, um ovo se abrindo numa casca de brigadeiro. Olho por mais de 3 minutos e tenho a visão do bem. Tua qualidade, ser bem mais que um sim ou o céu da Catedral de Brasília. Com a outra lente, vem a visão do mal. Teu defeito: ficar por demais parado, qual um barco entorpecido flutuando pelo lago do jardim. Bem ou mal, melhor ver o nenúfar com próteses do olhar. Mil coisas ele diz.
.
c.moreira

Dália (da série Flores)

.


Os índios cultivavam a dália nos jardins do Império Asteca. Mas a história pode ser outra. Foi David Brewster que inventou a dália. Ou terá sido ela a inventora do caleidoscópio? Talvez isso tudo seja uma ilusão de ótica, ou apenas badulaques de artista. O que ela quer mesmo é operar uma montagem de singularidades, um quebra cabeça de cores e formas, círculos concêntricos de flor. Quer ver uma? É só mirar um mosaico de Escher, as ruínas romanas de Conímbriga, ou a Rosácea, na entrada oeste da Catedral de Chartres. Sem ninguém perceber, enquanto todos dormem, a exímia da arte musiva vai juntando tesselas, tagliolo e martellina, formando a representação geométrica daquilo que chamamos mandala. Redonda como uma máscara bellacoola da Índia, como a Mandala de Vishnu, no Nepal, como um disco solar da Nova Guiné, ou mesmo como o Ó da barriga de Nossa Senhora. Também impetulante e mística ao bordar tantas pétalas, o centro do bosque e das atenções.
.
c.moreira

Girassol (da série Flores)

.
Antes mesmo de Akhenaton, aprendeu cedo a saudar um só deus. O girassol, monoteísta, fiel discípulo de Aton ou Taita Inti, governa o mundo do quintal. Seu gesto, puro movimento de um saber natural, desenha no ar, sem fazer alarido, uma circunferência invisível e precisa como o traço moderno de Oscar Niemeyer. Em busca do Grande Arquiteto, cabeça voltada para o céu, mas sem tirar o pé do chão – telúrico e camponês - o Helianthus reza toda manhã em ritmos de ouro e de verso os ritos órficos de planta, quase uma missa crioula. O rei egípcio, que nem sabia de tua existência, se soubesse talvez cultuasse um girassol. Divino. Um jardim cheio deles é grande demais pra caber num quadro de Van Gogh. Urubus passeiam entre os girassóis, mas não roubam o charme de Clítia, ninfa aquática e apaixonada que melhor traduz tua reverência.
.
c.moreira

Jasmim (da série Flores)

.
.
Depois de quase fervida e posta em xícara branca da China, a água lentamente molha tua flor. Borbulham cheiros, sabores e sete haicais. Desfilam gueixas, lendas de alguns samurais e outras imagens de um mundo flutuante. Qual o que, melhor dizer um banho de jasmim. A cena: uma cerimônia do chá. A tokonoma, perfumada e silenciosa, sábia e milenar, abriga caligrafias miúdas sobre o papel emoldurado, raro kakemono de séculos atrás, enquanto espíritos como os de Murata Juko e Sen no Rikyu visitam o templo. O jasmim a lenta infusão espera. Sem pressa que esse é o segredo de um chá. Tchâ-no-yu, o império de todos os sentidos, qual uma cena de Nagisa Oshima ou Akira Kurosawa. O cheiro do jasmim, plantado numa paisagem de ukiyo-e, traduz todos os signos e alimenta todos os mistérios de um mundo que não é meu.
.
c.moreira

terça-feira, 30 de março de 2010

Calêndula (da série Flores)

.
.
Tua sinfonia não carece de partitura. Manhã logo cedo vem o vento e te faz dançar balé. O jardim, o palco, o tule, a nuvem, o pardal, o sabiá, toda uma orquestra de passarinhos. Delicadas e donzelas, dezenas de calêndulas encenam o Lago dos Cisnes. Sem piriri, lombriga ou ameba, a mais bonita, prisioneira de Rothbart, balança pra lá, balança pra cá, desenhando no ar sincopado movimento, quase um abraço no silêncio. Sem tirar o pé do chão, Pas de Deux ou Pas de Valse, a calêndula parece ter fugido de uma escultura de Degas, Prima Ballerina ou La Petite denseuse de Quatorze ans. No fim de todos os atos, esquece de sair do palco como se desdenhasse todos os aplausos, um tipo estranho, um charme de artista. Insistindo em ficar. Plantada no chão, executando um perfeito Glissade Derrière, por um segundo só esquece que é flor. E a tragédia de Siegfried, que também é a de Odette, não impede o Allegro Vivace. Um jardim de calêndulas é aqui na terra um palco todo iluminado.
.
c.moreira

quinta-feira, 25 de março de 2010

Azaléia (da série Flores)

.


Não fosse você, o sol nem nascia. No entanto, o excesso de humildade não impede o camarim, champanha e brioche. Gosta mesmo é de luz. E ninguém imagina o trabalho. Primeiro, num silêncio circunspecto de quase oração, lava a pele. Com capricho, inicia o ritual. Espalha a base, o pó facial que te realça o tom da pele. Ou camufla? Depois, com cerimônia, aplica o fixador de sombra, azul brilhante, royal ou turquesa. Só então, com o legítimo pincel chanfrado que tua amiga trouxe do Paraguai, distribui um cinza cintilante, em forma de degradé, na extremidade da pálpebra. Teu blush rouge opera milagres. Cílios postiços e rimel fazem de teus olhos duas amêndoas selvagens, quase uma Brigitte Bardot. E não satisfeita em ser apenas um protótipo da estrela de Les Femmes, exagera no gloss brilhante, talvez ficar assim com os lábios de Claudia Cardinale. Tua musa não é como as de hoje, sem curvas. Tua musa tem as pernas de Sophia Loren, ou Nike de Samotrácia, e os seios montanhosos e cinematográficos de Anita Ekberg. Em teu jardim, só falta mesmo um ar romântico de fonte, o sorriso de Mastroianni, uma lua italiana, e a trilha sonora de Nino Rota. Se o crime é natural, a virtude é artificial como a maquiagem da Azaléia. Mentirosa e sublime, assim te gosto. Maquiada, dourada, sobrenatural e melindrosa, assim te quero. Teus adereços são sinais de uma nobreza primitiva e divina. Desfila.
c.moreira

terça-feira, 16 de março de 2010

Nunca mais seremos os mesmos

Photo By Patrícia del Rey

Um tango para ler ouvindo o livro... ou melhor, um livro para ler ouvindo um tango. Daniel Galera passou uma temporada em Buenos Aires, a convite do projeto Amores Expressos, desenvolvido pela Companhia das Letras. O resultado pode ser conferido no livro Cordilheira. A narradora, Anita von der Goltz Vianna, é uma jovem escritora brasileira que é convidada para uma feira literária, na capital argentina. A viagem caiu como uma luva. Anita vivia um momento conturbado em sua relação com Danilo. A moça queria engravidar, para a infelicidade do namorado. A autora promissora põe fim a sua relação e parte pra Buenos Aires. É aí que a história começa.
Em uma conferência sobre Descrições da Chuva, seu livro de estréia, a jovem conhece um argentino chamado Holden, pelo menos esse é o nome que nos é apresentado. Holden também é um escritor de um único e renegado livro. Os dois começam, então, a viver um caso estranho que envolve transas mirabolantes, bem como encontros literários com um curioso grupo do qual Holden faz parte. No início da trama, pouco sabemos sobre essa "sociedade secreta". Basta dizer que ela é responsável pelo desenrolar dos fatos.

Daniel Galera foi finalista do Jabuti com esse romance. Ganhou o prêmio de melhor romance de 2008, pela Fundação Nacional do Livro. Prêmio, aliás, merecido. Isso porque o romance se sustenta, não apenas pela história, regada a vinho e muito tango, na Confiteria Ideal, e passeios na Reserva Ecológica de Buenos Aires, mas também pela sua estrutura.

Depois da leitura, fica a impressão de que o ritmo da narrativa poderia ser um pouco mais lento. Tudo tão bom e acontecendo tão depressa! Mas não me cabe julgar esse aspecto, já que é parte do estilo do autor e da respiração do narrador. A Buenos Aires do livro é também personagem. Enquanto a trama se enrola e desenrola, paralelamente, a cidade vai passando, acariciando e beijando o leitor, com seus cafés e praças, costumes e mates. Mas em primeiro plano o que está em jogo é a experiência vivida por Anita, que perdeu a mãe e o pai muito cedo. A moça possuía uma rara sensibilidade não apenas para a literatura, mas também  para a maternidade – basta ler os fragmentos de seu romance, que aparecem ao longo da narrativa. Anita procura conceber um filho, logo, precisa do sêmen de um macho. Para isso, Holden, o argentino, serviu muito bem. Enquanto as moças preferem abdicar da maternidade, mergulhando na vida profissional e nas experiências amorosas fugidias e vazias, Anita procura inverter esse processo, sendo a mãe que nunca teve. No entanto, o único filho gerado é o livro Cordilheira, ou seja, sua própria história. E Anita nem ficou sabendo disso. O título é uma alusão às montanhas da Terra do Fogo, lugar em que o desfecho da história acontece. A viagem é sintoma de uma transformação pela qual passa a narradora.

Há um fato que gostaria de comentar brevemente. As transformações acontecem também em um outro plano. O livro poderia ser lido como uma reflexão sobre a possibilidade da arte, e não apenas da viagem, transformar os homens. Nem sempre essa transformação é boa. A confraria de literatos intenta fazer algo que escritores como Alfred Jarry tentaram fazer... explodir os limites entre arte e vida, o que de certa maneira os surrealista também almejaram – com sucesso ou sem, não sei dizer. É que cada membro dessa “seita” escreveu um livro e aceitou vivê-lo, chegando a adotar o nome da personagem que inventou. Cada um deveria, assim, repetir todos os passos dessa obra que engoliu as suas vidas. Mas a vida é grande de mais para caber num livro. Anita não aceitaria jamais esse jogo, apesar de ser o outro lado, que é apenas o avesso que é o mesmo, de sua personagem no livro Descrições da Chuva, a jovem Magnólia.

Anita anda, anda, anda em Buenos Aires, mas volta pra casa, para o mesmo lugar, que agora é outro, ou terá sido ela que mudou? Podemos voltar de uma viagem de Buenos Aires, ou da leitura de um livro (que também é uma viagem), mas nunca seremos os mesmos.

(Algum tempo depois de ler o livro de Galera, li o Golpe de Ar, do Fabrício Corsaletti, cuja história também se passa em Buenos Aires. Seria interessante confrontar os dois livros. Fica para outro momento)

c.moreira

O Dia Mastroianni


Misture o Panamérica, do Zé Agrippino, o Agora é que são Elas, do Leminski, A Doce Vida e Ensaio de Orquestra, de Fellini, e terás alguma coisa quase tão louca quanto o romance O Dia Mastroianni, de João Paulo Cuenca. A diferença é que o Agrippino é o Agrippino, o Leminski é o Leminski e o Fellini é o Fellini. Não estou querendo comparar esses grandes para provar que Cuenca é grande ou pequeno. Esse lance de grande e pequeno é muito sexual e pouco literário.

O fato é que o livro foi saudado como uma das coisas mais incríveis da literatura brasileira dos últimos tempos. Basta ler um fragmento da crítica escrita por Márcio Renato dos Santos, publicada no jornal Rascunho: “O dia Mastroianni é um livro absurda e absolutamente indispensável. Para pensar o presente. E chorar pelo futuro. E ter vontade de viver no passado. Romance com brilho, irônico, escrito com fúria e força raras - momento raro de força nestes tempos insossos em que qualquer Pose se quer um gênio inédito da raça. O dia Mastroianni é prosa para ler - e reler, rindo, para gargalhar. E, então, se dar conta de que João Paulo Cuenca é um dos grandes nomes da literatura brasileira contemporânea”.
Tudo bem que a crítica ao mundo das celebridades é interessante. Cuenca consegue abalar as estruturas narrativas tradicionais. Basta pensar nos capítulos que permeiam a “história” propriamente dita. Tais passagens comentam a própria história, como se o texto fosse um work-in-progress comentado ao longo do livro. Assim, os clichês são propositais. O cinema acaba se transformando em um dos personagens principais, e não é difícil ler o livro imaginando o absurdo de uma cena felliniana, o sorrido amarelo de Mastroianni, um bolero ao fundo, e lindas mulheres que deixam de ser excitantes quando abrem a boca. Só não acho que esse livro seja tão fundamental assim para se ler a literatura brasileira contemporânea. Não preciso dele para perceber como vão as coisas. Por isso, penso que a importância do livro se dá mais pela graça das cenas, pelo irônico beirando o sarcástico, pelo absurdo quase surrealista, misturado com gim e tônica. As pessoas quando lêem uma obra geralmente ficam tentando encontrar valores, críticas, alguma coisa que possa justificar a sua existência como algo importante e digno de nota. Prefiro ler o livro de outra maneira, ler deseducadamente, como escreve Cuenca, DESEDUCADAMENTE. Cada livro nos ensina a lê-lo. Encanta-me a provocação, as frases impensáveis, os cortes cinematográficos, e a patetice dos dandys pintados por Cuenca. Lembrei imediatamente das maluquices de Zé Agrippino, que provavelmente deve fazer parte do paideuma de Cuenca. As festas, o sexo, as bebidas, uma cena pulando loucamente para a outra, como não pensar em Agora é que São Elas e algumas viagens literárias de Bukowski. Antes de falar sobre o mundo e criticar a sociedade do espetáculo, o livro de Cuenca fala sobre o cinema e sobre a própria literatura. É como se o autor – que se despedaça a medida que se confunde com os personagens – pretendesse dar continuidade, mas não numa linha diacrônica, à prosa experimental brasileira. O narrador fala, fala, mas nada acontece, como em Catatau, de Leminski. Assim, o que está em jogo não é necessariamente a in-ação do playboy, e consequentemente do mundo medíocre que o rodeia, mas uma in-ação, que se converte em ação ao pensar a própria literatura, a ausência de caminhos – aporia. É preciso ter coragem para escrever um livro desses.


c.moreira